Instalações e Serviços

Alta Complexidade

Hemodinâmica

Hemodinâmica ou Cardiologia Intervencionista utiliza de técnicas invasivas para obtenção de dados funcionais e anatômicos das várias cardiopatias buscando o diagnóstico e tratamento destas doenças


  • O cateterismo cardíaco é perigoso?

    Dados de literatura atual descrevem que a ocorrência de qualquer evento adverso durante um cateterismo está em torno de 1,35%. É importante ressaltar que este exame pode ser realizado em situações de emergência médica ou em circunstâncias de gravidade clínica o que torna a ocorrência de complicações muito mais frequente. Entre as complicações deste exame, podem ocorrer mais comumente:

    Morte: atualmente a ocorrência de morte após cateterismo cardíaco varia de 0,1 a 0,7% dos pacientes.

     

    Infarto do miocárdio: apesar da isquemia miocárdica ser relativamente comum, a ocorrência de infarto na maioria das séries é menor do que 0,1%.

     

    Acidente Vascular Encefálico: o risco desta complicação está em torno de 0,07-0,17%.

     

    Complicações no local de inserção do cateter: Tratam-se das complicações mais frequentes após a realização de cateterismo cardíaco. Estes problemas incluem: infecção (0,06-0,6%), isquemia (menos do que 1%), dissecção, hemorragias (0,1 a 0,97%), hematomas (0,18 a 1,3%) pseudoaneurisma (em torno de 1%) e fístula arteriovenosa (próximo de 0,4%).

     

    Insuficiência Renal: o cateterismo cardíaco pode cursar com prejuízo ao funcionamento renal por 3 causas principais: reação ao contraste iodado utilizado (0,9% dos casos), embolia renal (0,27% dos casos) e instabilidade clínica durante o procedimento (0,24% dos casos).  Atualmente a necessidade de realização de diálise após cateterismo cardíaco diagnóstico está em torno de 0,14%.

     

    Arritmias: uma grande variedade de arritmias pode ocorrer durante o cateterismo cardíaco e a maioria delas não apresenta repercussão clínica. A fibrilação e a taquicardia ventriculares são arritmias mais complexas que necessitam de intervenção médica imediata ocorrem em cerca de 0,4% dos pacientes.

     

    Reações Alérgicas: Podem ocorrer reações alérgicas pelo contraste iodado utilizado para realizar o exame em até 1% dos casos. Estas reações são mais comuns em pacientes asmáticos ou com antecedente de outras doenças alérgicas. Reações ao anestésico empregado também podem ocorrer mas o médico possui mais de uma alternativa para  realização do cateterismo.

     

    Exposição Radiológica: os pacientes que realizam cateterismo cardíaco estão sujeitos a exposição à radiação ionizante. A dose pode variar de acordo com o tipo de procedimento realizado e cabe o médico responsável pode orientar o paciente sobre os riscos implicados.

  • O que é angioplastia?

    A angioplastia coronária é um procedimento realizado para a desobstrução das artérias coronárias, que são as artérias que irrigam o músculo cardíaco. Ela pode ser realizada com balão, implante de stent convencional, stent farmacológico ou stent bioabsorvível. A angioplastia é realizada apenas com anestesia local.

    Após a angioplastia sua receita médica certamente conterá medicamentos antiagregantes (como a aspirina e o clopidogrel), que o seu cardiologista prescreveu na dosagem e posologia indicada. Estes medicamentos são a sua principal defesa contra a formação de coágulos de sangue no local da angioplastia e prevenção de outros infartos. Lembre-se que é muito importante o cardiologista dizer por quanto tempo você precisará tomá-los. Em geral, se você teve um infarto, os remédios antiagregantes plaquetários (clopidogrel) devem ser usados por pelo menos um ano após a angioplastia e, se sua angioplastia foi eletiva, ou seja, você não chegou a ter um infarto ou angina, a medicação deverá ser mantida por 3 meses. A aspirina (AAS) deverá ser usada pelo resto da vida, se não houver nenhuma contraindicação para isso.

     

    IMPORTANTÍSSIMO: Se você tiver dor no peito ou outros sintomas semelhantes aos que trouxeram você para o hospital, informe imediatamente o seu médico, mesmo que a dor seja diferente e você não tenha certeza do que está sentindo. Se a dor persistir procure imediatamente um Pronto Socorro, levando consigo todos os seus exames e relatórios.

    Cuide do local onde foi realizado o procedimento (punho, braço ou virilha), fazendo repouso do membro e lavando com água e sabão. Não é esperado que tenha nenhum sangramento no local após deixar o hospital, caso isso ocorra, faça pressão no local com uma gaze, contate o seu médico e retorne ao hospital o mais rápido possível. Pode haver um pequeno hematoma no local do procedimento, isso é normal, e desaparecerá em uma semana. Se você observar o aparecimento de um nódulo no local por onde foi feito o procedimento, e este nódulo for maior do que uma noz, você deve relatar ao seu cardiologista, pois pode ser alguma fragilidade da parede da artéria (pseudoaneurisma). Se você tiver um hematoma nas costas ou dor abdominal, contate o seu médico ou volte ao hospital logo que possível.

    Lembre-se, você está em recuperação. Pergunte ao seu médico quando você poderá retomar às atividades normais, incluindo voltar a trabalhar, academia ou levantar pesos.

     

    RETORNO MÉDICO APÓS A ANGIOPLASTIA

    O ideal é que você saia do hospital com um retorno já agendado com seu cardiologista de 10 a 14 dias após o procedimento, ou até antes se ele indicar.

     

    RETORNO À ROTINA APÓS A ANGIOPLASTIA

    Trabalhar: a maioria dos pacientes pode retornar ao seu trabalho em sete dias após a angioplastia, no entanto, para aqueles pacientes que sofreram um infarto ou outros danos ao coração, é necessário mais tempo a recuperação, em geral de 30 a 90 dias. Você deve seguir a recomendação do seu médico.

    Dirigir: para pacientes que não tiveram danos no coração, é possível dirigir após uma semana da angioplastia.

    Praticar exercícios físicos: se você tiver dor no peito, dificuldade de respirar, ou batimentos cardíacos irregulares durante o exercício, relate ao seu cardiologista e não faça exercícios até que se sinta-se melhor. Se estes problemas continuarem, procure ajuda imediatamente.

    Ter relações sexuais: geralmente a atividade sexual será permitida após duas semanas da angioplastia. Se você não sentir nenhuma dificuldade para subir dois lances de escadas ou caminhar 100 metros, você provavelmente poderá voltar à atividade sexual com tranquilidade. O uso de estimulantes sexuais, devem seguir a recomendação médica.

     

    IMPORTANTÍSSIMO: se você estiver usando medicamentos vasodilatadores a base de mononitrato de isossorbida, propatilnitrato ou dinitrato de isossorbida, em hipótese nenhuma utilize estimulantes sexuais, pelo risco de queda brusca de pressão.

     

    DICAS IMPORTANTES

    Mantenha um peso ideal – reduza a ingestão de calorias e faça mais exercícios para controlar o peso.

    Pare de fumar – a nicotina contrai os vasos sanguíneos e força o seu coração a trabalhar mais. O monóxido de carbono reduz o oxigênio no seu sangue, e prejudica o revestimento dos seus vasos sanguíneos. Se você fuma, parar é a melhor forma de reduzir o risco de um ataque cardíaco.

    Pressão arterial – verifique sua pressão arterial regularmente. Se você é hipertenso, tome regularmente seus medicamentos para controlar a pressão.

    Reduza o colesterol – verifique o nível do seu colesterol regularmente, idealmente a cada 3 a 6 meses. Coma menos alimentos com alto teor de colesterol e, se houver a necessidade de tomar medicamentos que reduza o nível de colesterol, siga a recomendação do seu médico.

    Controle de diabetes – se você sofre de diabetes, o controle cuidadoso do seu nível de glicemia pode ajudar a retardar a progressão da doença arterial coronariana.

    Faça exercícios físicos o exercício ajuda a atingir e manter um peso saudável e controlar o diabetes, o colesterol elevado e a pressão arterial alta. Com a aprovação do seu médico, programe 30 a 60 minutos de atividade física de 3 a 4 dias por semana.

    Tenha uma dieta saudável – uma dieta saudável para o coração, baseada em frutas, vegetais e grãos integrais, baixa em gordura saturada, colesterol e sódio, pode ajudar a controlar o peso, pressão arterial e colesterol. A redução da gordura e do colesterol na sua dieta o tornará menos propenso a desenvolver obstruções adicionais nas suas artérias. Uma ou duas porções de peixe por semana também podem ajudar a proteger seu coração.

    Controle o estresse – reduza o estresse tanto quanto possível. Pratique técnicas saudáveis para controlar o estresse, como relaxamento muscular e a respiração profunda.

     

    Referências:

    INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO - SÍNDROME CORONARIANA AGUDA COM SUPRADESNÍVEL DO SEGMENTO ST ANTONIO EDUARDO PEREIRA PESARO*, CARLOS VICENTE SERRANO JR., JOSÉ CARLOS NICOLAU Trabalho realizado na Unidade Clínica de Coronariopatia Aguda - Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP Rev Assoc Med Bras 2004; 50(2): 214-20

    Cateterismo Cardíaco, Diagnóstico (Angiografia) e Terapêutico (Angioplastia) na Doença Arterial Coronária Arq Bra

  • O que é o cateterismo cardíaco?

    O cateterismo ou cineangiocoronariografia, é realizado com anestesia local e consiste na introdução de um cateter (feito de material flexível) dentro de um vaso sanguíneo localizado na virilha, punho ou antebraço, até se chegar ao coração, guiado por um sistema de raio-X. Após, é realizado injeção de contraste iodado o que permitirá identificar obstruções, defeitos congênitos ou estruturais no coração.

    Ao término do exame, é realizado curativo local e o paciente recebe alta para casa no mesmo dia, em média 2 a 6 horas após o término do exame, com o resultado do exame gravado em imagens digitalizadas, disponível para ser encaminhado ao médico que solicitou o exame.

    Não se esqueça de que é mais grave e arriscado desconhecer quais problemas acometem o seu coração, se expondo a probabilidades de complicações futuras, do que ser submetido ao exame, receber um diagnóstico preciso e dar início a um tratamento adequado e direcionado.

    Para que o cateterismo cardíaco tenha sucesso na sua realização é importante que o paciente saiba que apesar de ser um procedimento seguro, algumas recomendações devem ser seguidas antes do dia do exame. É imprescindível comunicar ao médico das enfermidades que já possui, uso de medicamentos e sintomas atuais.

    Recomenda-se que os pacientes cheguem sempre acompanhados, com 1 hora de antecedência e tragam consigo seus exames médicos.

    Para realizar o cateterismo, recomenda-se jejum de 4 a 6 horas.

    Caso a pessoa que será submetida ao cateterismo esteja em uso de anticoagulantes como (Marevan, Marcomar, Xarelto, Pradaxa e Eliquis) é preciso que estes sejam suspensos antes do exame para reorno da coagulação sanguínea normal. Os portadores de diabetes, que fazem uso de medicamentos com Metformina (Glucoformin, Glifage, Xigduo, Janumet, kombiglyze) devem ter essas medicações suspensas por 48h antes de realizarem este procedimento, devido às possíveis interações com o contraste iodado. As pessoas que possuem antecedentes de alergia ao contraste ou iodo deverão fazer um tratamento prévio com uso de antialérgicos e corticoides.

    Na vigência de alguma doença, o exame poderá ser remarcado, a critério do médico, para ser realizado em melhores condições.

    Importante ressaltar que cada paciente tem suas particularidades, que deverão ser consideradas, para a realização do exame.

  • Por que é importante fazer angioplastia?

    Para entender a utilidade da angioplastia, se faz necessário entender conceitos básicos da doença arterial coronariana. A redução no fluxo de sangue rico em oxigênio para o coração (isquemia) produz muitas vezes uma dor torácica denominada angina pectoris. A isquemia ocorre por um estreitamento, causado por depósitos de gordura e cálcio,  nas artérias que levam o sangue para o coração (doença conhecida como doença arterial coronária).

    A doença arterial coronariana pode ser crônica ou aguda. Ela é dita síndrome coronariana aguda quando há uma manifestação súbita ou mudança no padrão habitual da dor torácica: sua freqüência, duração ou causa precipitante. A síndrome coronariana aguda pode estar associada a danos ao músculo cardíaco (ataque cardíaco ou infarto). Em casos severos o infarto pode levar a insuficiência cardíaca ou morte súbita.

    Os possíveis candidatos à angioplastia são:

    Pacientes com sintomas de angina ou exames complementares que demonstrem significativa isquemia no músculo do coração.

     

    Pacientes com padrão específico de estreitamento arterial e elevado risco de ataque cardíaco ou óbito.

     

    Pacientes com síndrome coronariana aguda.

  • Qual o benefício de fazer uma angioplastia e não uma cirurgia de ponte de safena?

    A angioplastia e a cirurgia de revascularização miocárdica são as duas técnicas atualmente utilizadas para o tratamento invasivo da doença isquêmica do coração. Na cirurgia realiza-se uma incisão e abertura do tórax e são utilizados enxertos (oriundos mais comumente de veias safena ou artérias mamárias) como pontes que ultrapassam as obstruções nas artérias do coração. Estes enxertos encaminham diretamente o sangue proveniente da aorta para regiões sadias das coronárias, reduzindo a isquemia do coração. A escolha entre angioplastia e cirurgia de revascularização deve ser individualizada para cada paciente já que alguns fatores podem influenciar nos resultados de ambos.

    Perfil do paciente, caracterizado pela presença de outras doenças associadas à doença coronária e estado clínico no momento em que a revascularização se faz necessária.

    Número e localização de artérias coronárias obstruídas com necessidade de revascularização.

    Presença de diabetes mellitus.

    Contra-indicação à utilização de medicações necessárias após a angioplastia (ex.: anti-agregantes plaquetários)

    Pergunte ao seu médico se existe vantagem de uma técnica sobre outra no momento da escolha do procedimento.