Saúde em Destaque

06/10/2017

30% dos casos de câncer de mama podem ser evitados

A prevenção do câncer de mama não é totalmente possível em função da multiplicidade de fatores que podem levar a esta doença, os quais se dividem em modificáveis e não modificáveis conforme os hábitos de vida. A prevenção baseia-se no controle dos fatores de risco.

São fatores de risco do câncer de mama: idade, fatores genéticos (5 a 10% dos casos de câncer de mama são hereditários), histórico de nódulos anteriores, mamas densas, primeira menstruação antes dos 12 anos, menopausa após os 55 anos, alcoolismo, obesidade, sedentarismo, mulheres que não têm filhos ou tiveram após os 30 anos.

O estimulo à execução de medidas de proteção e o abandono dos fatores de risco pode reduzir em até 28% a possibilidade de desenvolvimento do câncer de mama, segundo o Instituto Nacional do Câncer - INCA.

O mastologista do Hospital Santa Clara, Dr. Marcelo Holanda de Mendonça, afirma que evitar a obesidade por meio da dieta equilibrada e a prática regular de exercícios físicos é uma recomendação básica para prevenir o câncer de mama, já que o excesso de peso aumenta o risco de desenvolver a doença. O alcoolismo, o tabagismo e a reposição hormonal também são fatores que devem ser evitados, promovendo assim a prevenção primária desse tumor. O estímulo à amamentação também consiste em um importante fator preventivo.

“A prevenção, assim como o diagnóstico precoce por meio do rastreamento mamográfico anual a partir dos 40 anos, são as mais eficazes ferramentas na diminuição da mortalidade do câncer de mama que, depois do câncer de pele não melanoma, é o de maior incidência na população feminina. Vale lembrar que, apesar da baixa incidência (0,5 a 1%), o câncer de mama também incide sobre a população masculina”, explica Dr. Marcelo Holanda.

Conteúdo: Kompleta Comunicação - Assessoria de Imprensa

Fonte: Dr. Marcelo Holanda de Mendonça

Especialidade: Mastologia

CRM: 42187

 

voltar